A atividade da malacocultura e as queixas musculoesqueléticas: considerações acerca do processo produtivo

Clarissa Stefani, Giselle Schmidt Alves Díaz Merino, Érico Felden Pereira, Eugenio Andrés Díaz Merino

Resumo


Este trabalho buscou avaliar as queixas musculoesqueléticas de dor/desconforto e as relações com o processo de trabalho de indivíduos do setor da malacocultura que se refere à criação de moluscos em geral. Participaram do estudo um casal de trabalhadores responsável pela produção de moluscos do tipo mexilhão e ostra associado a um grupo produtivo de pequeno porte com característica familiar da região de Florianópolis/Santa Catarina/Brasil. Para a identificação das queixas foi utilizado o diagrama das áreas dolorosas de Corlett e Manenica (1980). Para a identificação do processo de trabalho foi utilizada a metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho que partiu de uma demanda com os relatos de desconforto dos trabalhadores. Os resultados encontrados permitiram associar as queixas com as diversas atividades desenvolvidas durante a jornada de trabalho. Também foram observadas problemáticas de caráter ambiental. Logo, ações preventivas de cunho explicativo que indiquem as corretas posições para o desenvolvimento do trabalho e proteção contra agentes térmicos e úmidos são necessárias e poderiam otimizar as etapas do processo de cultivo.

Palavras-chave


Ergonomia; malococultura; queixas musculoesqueléticas.

Texto completo:

PDF/A