Aplicação do método de custeio por absorção integral por centro de custos em uma empresa multiplanta de diferentes graus de automatização

Luiz Filipe Tomazi, Daniel Christian Henrique

Resumo


Com o aumento da competitividade e das exigências dos consumidores referentes à qualidade e preços, os sistemas de custos têm se tornado cada vez mais importantes para as empresas, porém, neste ponto, as cerâmicas vermelhas estruturais estão muito atrás das empresas de transformação do Brasil. Este trabalho tem o intuito de implementar o método de custeio por absorção integral por centros de custos em uma empresa multiplanta com diferentes graus de automatização, sendo desenvolvido em uma cerâmica vermelha estrutural, podendo este mostrar a importância do mesmo para o setor, e ainda, comparar os custos entre as plantas a fim de subsidiar as tomadas de decisão das empresas quanto a automatização ou não dos seus processos. Foi utilizado o método de custeio por absorção integral por centro de custos, permitindo uma boa comparação entre as unidades fabris além de contemplar todos os custos da empresa, o que possibilita conhecer os custos dos produtos e o lucro de cada planta. Constatou-se ao final do estudo que os produtos possuem margens parecidas, principalmente devido às suas fortes similaridades. Verificou-se, ainda, que a Planta 02 – automatizada – consegue produzir os seus produtos de uma forma mais econômica que a Planta 01, e que tal diferença pode ser ainda maior, mostrando a validade da automatização dos processos na cerâmica vermelha. O estudo constatou, por fim, que tendo em vista os riscos envolvidos, a empresa precisa reduzir seus custos para poder ter um lucro aceitável, pois atualmente rende abaixo da inflação do país.


Palavras-chave


Cerâmica Vermelha Estrutural; Método de Custeio por Absorção integral; Centro de Custos

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ABRACEVEC. Associação Brasileira de Cerâmicas Vermelhas Certificadas. Disponível em: http://www.abracevec.com.br/index.php?pg=30. 2008 Acessado em Julho.

ABC. Associação Brasileira de Cerâmica. Disponível em: http://www.abceram.org.br/asp/abc_283.asp. Acessado em 20 nov. 2007

AVERBUG, André. Abertura e Integração Comercial Brasileira na Década de 90. 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

BORNIA, A. C. Análise gerencial de custos, aplicação em empresas modernas. Porto Alegre: Atlas, 2010.

CAMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO (CBIC). Valor adicionado bruto – Contrução Civil. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 maio. 2016.

CERBASI, Gustavo; PASCHOARELLI, Rafael. Finanças para empreendedores e profissionais não financeiros. São Paulo: Saraiva, 2007.

COELHO, Fabiano Simões. Formação De Preço No Cenário Regulatório: Um estudo de caso da Ponte Rio Niterói. 2002. 114 f. Tese (Doutorado) - Curso de Ciências Contábeis, Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Administração e Finanças, Rio de Janeiro, 2002. Cap. 2.

DIEESE (São Paulo). Estudo Setorial da Construção 2012. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

FERREIRA, José Antônio Stark. Contabilidade de Custos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

HORNGREN, Charles T.; DATAR, Srikant M.; FOSTER, George. Contabilidade de Custos: Uma abordagem gerencial. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004

IBGE. Fabricação de Produtos Cerâmicos Não-Refratários para Uso Estrutural na Construção, excluídas as palavras pisos e azulejos da razão social. Disponível em: < www.ibge.gov.br> Acesso em: 20 maio 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

KLIEMANN NETO, F. J. Gerenciamento e controle da produção pelo método das unidades de esforço de produção. Anais do I Congresso Brasileiro de Gestão Estratégica de Custos, UNISINOS, São Leopoldo, Rio Grande do Sul, 1994.

MARTINS, E.; ROCHA, W. Métodos de custeio comparados: custos e margens analisados sob diferentes perspectivas. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

MEDEIROS, R. F. Adaptação do Método das Unidades de Esforço de Produção (UEP), para Empresas de Cerâmica Vermelha . Florianópolis, 2009. 142f. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, 2009.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR.

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Cadeia Produtiva da Indústria da Cerâmica Vermelha, 2011. Disponível em: Acesso em: 20 maio 2016.

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica. São Paulo: Pioneira, 1997.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão Estratégica de Custos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

REDIVO, Rosânio Bortolato. Uma análise da gestão de empresas produtoras de cerâmica vermelha do sul de Santa Catarina. Florianópolis, 96 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal De Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 2007.

SEBRAE (São Paulo). Estudos De Mercado Sebrae/Espm: Cerâmica Vermelha para Construção: Telhas, Tijolos e Tubos. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

SILVA JUNIOR, P. D.. Perspectivas de planejamento de sistema de informação gerencial utilizando planilhas eletrônicas nas indústrias de cerâmica vermelha. Dissertação de Mestrado., PPTEC/CEFET/RJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2005.

SOUZA, M. A.; DIEHL, C. A. Gestão de custos: uma abordagem entre contabilidade, engenharia e administração. São Paulo: Atlas, 2009.

SAMOHYL, Robert Wayne. Controle Estatístico de Qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.




e-ISSN 2175-8018


Creative Commons License
IJIE - Iberoamerican Journal of Industrial Engineering foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Iberoamerican Journal of Industrial Engineering. Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Florianópolis, SC, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial do IJIE, encaminhe um e-mail para periodico.ijie@gmail.com ou ijie@contato.ufsc.br