Programas governamentais e manutenção da agricultura familiar: o território rural do Alto Vale do Itajaí

Andrei Stock, Simone Caroline Piontkewicz, Valmor Schiochet

Resumo


O objetivo deste estudo é identificar os principais programas de apoio às políticas públicas voltadas para a agricultura familiar no território rural do Alto Vale do Itajaí - SC. Políticas públicas que compreendem gastos públicos capazes de diminuir os custos de produção e viabilizar o setor produtivo melhoram as condições estruturais de crescimento e desenvolvimento da economia local. Os problemas enfrentados pela agricultura familiar no Brasil e as especificidades do setor requerem políticas públicas pertinentes, que viabilizem pequenos empreendimentos produtivos, promovam a fixação do produtor rural no campo e contribuam para o desenvolvimento regional. Em relação aos programas voltados para a agricultura familiar no Alto Vale do Itajaí, estes, auxiliam a diminuir o êxodo rural e tem efeito estruturante para o planejamento e diversificação da produção, atualmente baseada no monocultivo. Os arranjos associativos estimulados favorecem uma mudança de patamar na qualidade de vida das famílias e uma ressignificação social do trabalhador do campo. Os programas existentes elevam o modo e a capacidade de produção das propriedades familiares, mas ainda há um longo caminho para a manutenção da agricultura familiar, a atividade agrícola por mais que tenha modernizado suas técnicas, permanece sendo árdua.


Palavras-chave


Políticas Públicas; Territórios Rurais; Alto Vale do Itajaí; Desenvolvimento Regional.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOVAY, R. Para uma teoria dos estudos territoriais. In: VIEIRA, P. F.; et al. Desenvolvimento territorial sustentável no Brasil. Florianópolis: APED/SECCO, 2010, p. 27-47.

ALTAFIN, I. Reflexões sobre o conceito de agricultura familiar. Brasília, 2005. Disponível em: >hutu :// www.redeagroecologia.cnptia.embrapa.br/biblioteca/ agricultura-familiar/ CONCEITO % 20 DE % 20 AGRICULTURA%20FAM.pdf

BEYME, K. V. Policy Analysis und Traditionelle Politikwissenschaft. In: Hans-Hermann Hartwich (org.): policy-Forschung in der Bundesrepublik Deutschland. Ihr Selbstverständnis und ihr Verhältnis zu den Grundfragen der Politikwissenschaft. Opladen: Westdeutscher Verlag, 1985, p.7-29.

BIANCHINI, V. O universo da agricultura familiar e sua contribuição ao desenvolvimento rural. Rio de Janeiro, 2005. Curso de Aperfeiçoamento em Agroecologia. REDCAPA – Rede de Instituições Vinculadas à Capacitação em Economia e Política Agrícola da América Latina e Caribe.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (PAA) – Evolução das operações. In: Agricultura e Abastecimento Alimentar: políticas públicas e mercado agrícola. Brasília: Conab, 2009.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (PAA). Transparência pública do PAA: Programa de aquisição de alimentos. Brasilia, 2015. Disponível em: > http://consultaweb.conab.gov.br/consultas/consultatransparenciapaa.do?method=consultarCPRMunicipio&novaConsulta=true

DENARDI, R. A. Agricultura familiar e políticas públicas: alguns dilemas e desafios para o desenvolvimento rural sustentável. Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 56-62, 2001.

FREY, K. Políticas Públicas: Um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de Políticas Públicas no Brasil. Revista de Planejamento e Políticas Públicas, Brasília/ IPEA, n. 21, p.211-259, 2000.

FNDE- Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escolar. Brasília, 2014. Disponível em: > http://www.fnde.gov.br/programas/alimentacao-escolar/alimentacaoescolarconsultas/repasses-financeiros

GUERRA, A.C.; et al. Agricultura familiar e economia solidária: o programa compra direta como política de inserção. Anais Congresso Brasileiro De Sistemas De Produção. Fortaleza, 2007. Disponível em: > http://www.cnpat.embrapa.br/ sbsp/anais/Trab_Format_PDF/139.pdf

HADJIMICHALIS, C. Factores no económicos en la geografía económica y en el “nuevo regionalismo”. In: FERNÁNDEZ, V. R.; AMIN, A.; VIGIL, J. I. (Orgs.). Repensando el desarrollo regional: contribuciones globales para una estrategia latinoamericana. Buenos Aires: Miño y Dávila, 2008. p. 247-265.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006. Brasília, 2006. Disponível em: > http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010.Brasília, 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm

JUNQUEIRA, C. P.; LIMA, J.F. de. Politicas públicas para a agricultura familiar no Brasil. Seminário: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 29, n. 2, p. 159-176, 2008.

KISSLER, L; HEIDEMANN, F. G. Governança Pública: Novo modelo regulatório para relações entre Estado, mercado e sociedade? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.3, n. 40, p. 479-499, 2006.

MARTINS, J. Pedagogias Agrícolas: continuidades e rupturas. Uma abordagem educacional sobre transições agroecológicas. 2013. Tese (Doutorado em Educação). UFSC, Florianópolis, 2013.

MATTEI, L. Impactos do Pronaf: análise de indicadores. Brasília, 2005. Disponível em: >http://www.nead.org.br

MDA- Ministério do Desenvolvimento Agrário. Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Marco referencial de apoio ao desenvolvimento de territórios rurais. Brasília, 2005.

MDA. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Anuário Estatístico de crédito Rural. Atividade e Finalidade PRONAF. Brasília, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.